sábado, 7 de março de 2009

Mulheres no mercado de trabalho

-
Participação das mulheres no mercado de trabalho cresce em 2008

A participação das mulheres no mercado de trabalho, na região metropolitana de São Paulo, atingiu 56,4% no ano de 2008, crescimento de 55,1% na comparação com o anterior.

Entre os homens também houve um crescimento, mas em menor intensidade, com a participação no mercado de trabalho passando de 71,4% em 2007 para 72% no ano passado.

Os dados fazem parte do PED (Pesquisa de Emprego e Desemprego), Especial sobre o Dia Internacional da Mulher, divulgada nesta quarta-feira (4).

DESEMPREGO
Com relação à taxa de desemprego, houve uma diminuição do índice, nos últimos cinco anos, tanto para os homens quanto para as mulheres.

As mulheres desempregadas na região metropolitana de São Paulo chegaram a 16,5% no ano de 2008, uma queda em relação ao ano anterior, quando a taxa foi de 17,8%.

Entre os homens, a taxa de desemprego decresceu com maior intensidade, chegando a 10,7%.

ATUAÇÃO
O nível de ocupação feminina aumentou em praticamente todos os setores de atividades analisados, sobretudo nas áreas de comércio e serviços.

Devido ao crescimento mais acentuado do nível ocupacional, as mulheres ampliaram sua participação no total de pessoas ocupadas, passando de 44,7% em 2007, para 45,1% no ano passado.

MERCADO DE TRABALHO
A pesquisa também constatou que, nas famílias com filhos, 59,6% das mulheres estão inseridas no mercado de trabalho.

A relação entre o número de filhos não reflete em uma maior inserção no mercado de trabalho. As mulheres com um filho tem 60,6% de participação. Já a proporção entre as mulheres com dois filhos ou mais é de 58,9%.

No entanto, a presença de filhos pequenos (de até um ano de idade) parece influenciar na atuação. Entre as famílias com filho de até um ano de idade, a participação das mulheres é de 54,3%. Já para as famílias com filhos maiores de cinco anos, o número sobe para 67%.

CONCLUSÕES
O levantamento constatou que houve a entrada das mulheres de forma mais intensa no mercado de trabalho.

Entre os motivos, destaca-se a busca de crescimento e emancipação profissional, fruto do aumento da escolaridade e da possibilidade de novos projetos profissionais.

A partir disso, há uma possibilidade de se discutir mais profundamente o papel da mulher e do homem na família e a necessidade de compartilhar de forma mais igualitária as tarefas do lar e da educação e a criação dos filhos.

Uma outra conclusão do estudo é que a maior dificuldade de obtenção de um trabalho remunerado, enfrentadas pela mulheres com filhos, indica que a maternidade é vista, muitas vezes, como um obstáculo pelo mercado de trabalho.

-

5 comentários:

  1. Acredito que a participação da mulher no mercado de trabalho vem crescendo por vários motivos, entre eles destaco dois: a necessidade dessa renda extra no orçamento doméstico e a necessidade de independencia financeira. Hoje nenhuma mulher quer ficar em casa e cuidar dos filhos em quanto o marido trabalha e traz o dinheiro pra casa.
    A mulher descobriu que é um ser capaz e que pode até competir com os homens no mercado de trabalho. A mulher moderna não deixa de ser delicada, amorosa mas sabe que alem de tudo isso pode ser uma profissional bem sucedida.
    Adriane Collet

    ResponderExcluir
  2. Atualmente as mulheres estão divididas em cuidar do lar e do trabalho, o qual conquistaram para sua idependência. Alem da mulher querer ser cada vez mais independente financeiramente, ela também teve que largar o lar para entrar no mercado de trabalho, pela necessidade de ajudar no orçamento familiar.
    E com isso a mulher se tornou uma forte concorrente para os homens no mercado de trabalho.
    Denise Maurer

    ResponderExcluir
  3. Ana Carolina Kaiser29 de junho de 2009 10:05

    A participação das mulheres no mercado de trabalho vem crescendo pela necessidade de uma renda extra e a busca pela necessidade financeira. Antes o papel da mulher era somente o de dona de casa, mas hoje ela vem buscando o seu lugar no mercado de trabalho e pode-se dizer que já existem muitas mulheres bem sucedidas e em grandes cargos nas empresas. A mulher é uma forte concorrente para os homens no mercado de trabalho, mas infelizmente ainda existem alguns preconceitos quanto a cargos e salários onde homem e mulher fazendo a mesma tarefa recebem salários diferentes (o salário da mulher é inferior).

    ResponderExcluir
  4. Silvana Weimer Wunder1 de julho de 2009 00:48

    O mercado de trabalho cada vez mais esta sendo ocupado por mulheres que buscam sua independência financeira. A necessidade de uma renda extra nas famílias, fez com que as mulheres ocupassem um espaço maior no mercado de trabalho. No entanto o que ainda conseguimos identificar em muitas empresas e a diferença salarial. Situação que não consigo entender, se duas pessoas, de sexos diferentes, que tem o mesmo rendimento, porque não recebem a mesma remuneração. Ao meu ver julgo como se fosse preconceito racial, não existe outra forma de entender tal procedimento. Injusto com as mulheres, pois muitas delas deixam de ter mais filhos para poderem conquistar seu espaço no mercado e que não é valorizado na maioria das empresas, que tem a visão negativa que mulheres ao engravidar ficam 04 meses de licença, o que pode prejudicar o andamento das tarefas na empresa.
    Devemos rever nossos conceitos, a mulher faz a diferença no orçamento de muitas famílias, além dela ser mãe, dona de casa, conselheira, esposa, ela é profissional e merece este reconhecimento.

    ResponderExcluir

Não esqueça de inserir seu nome ao final do comentário.